segunda-feira, 22 de agosto de 2011

PROFETAS MAIORES E MENORES

PROFETAS MAIORES E MENORES


PROFETAS ORADORES:
Houve entre o povo os profetas orais (os que não escreveram suas mensagens) mais foram citados em outros livros porem não fizeram nenhuma contribuição ao cânon.

PROFETAS LITERÁRIOS:
E os profetas literários, cujas mensagens estão preservadas como livros, estes divididos em dois grupos:
  • Profetas Maiores (num total de cinco) (cinco livros e quatro profetas)
  • Profetas Menores (num total de doze). (doze profetas e doze livros)

PORQUE QUEM FOI CLASSIFICADO?
Foram assim classificados por Agostinho (354-430 d.C), o grande filósofo e teólogo cristão, foi quem criou as expressões em virtude do volume de seus escritos.

Os livros dos profetas menores são tão pequenos que foram  reunidos na versão grega do Antigo Testamento (a Septuaginta) em apenas um livro, que foi chamado de “Dodecapropheton”, ou seja, “Doze Profetas.

O objetivo, certamente, não foi afirmar ser este, ou aquele, mais ou menos importante. Trata-se de uma divisão material e teórica, para fins didáticos.

QUEM SÃO OS PROFETAS MAIORES?
Os Profetas Maiores são: Isaías, Jeremias, Lamentações, Ezequiel e Daniel.

QUEM SÃO OS PROFETAS MENORES?
Os menores são os seguintes: Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.

A importância de um profeta na história não pode, entretanto, ser medida por essas categorias.

Embora sejam classificados em maiores e menores, os profetas do Antigo Testamento foram todos, de igual modo, inspirados verbal e plenariamente pelo ESPÍRITO SANTO de DEUS.

O ARRANJO DOS LIVROS DO ANTIGO TESTAMENTO HEBRAICO
O Antigo Testamento Hebraico é a Bíblia dos judeus.
Ele é composto de 24 livros que correspondem aos 39 do nosso A.T

Sua organização é diferente, por isso apresentam uma quantidade menor de livros, embora o conteúdo seja o mesmo.

De acordo com Lucas 24:44
“E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos.”



ESTRUTURA DA BÍBLIA HEBRAICA
LEI (A TORAH):
É o nosso Pentateuco na mesma seqüência como em nossas Bíblias:
OS PROFETAS (NEVIYM) : Estão subdivididos em 2 partes:
OS ESCRITOS KETHUVYM): Compõem a terceira seção e estão subdivididos em 3 partes:
Gênesis
Êxodo
Levítico
Números
Deuteronômio.
(A) – OS PROFETAS ANTERIORES
Josué                   Juízes
Samuel                Reis
(A) – Livros Poéticos:
Salmos             Provérbios  
Jó.



(B) – OS PROFETAS POSTERIORES
Isaías                   Jeremias
Ezequiel              Oséias
Joel                     Amós
Obadias               Jonas
Miquéias             Naum
Habacuque          Sofonias
Ageu                   Zacarias
Malaquias.
(B) – Os Cinco Rolos (Megilloth) – Rute                Cantares
Eclesiastes      Lamentações
Ester.

(C) – Os Livros Históricos – Daniel,             Esdras
Neemias          Crônicas

Tempo
Profetas
Contemporâneos*
Ordem da Bíblica hebraica (Neviym)
Profetas Maiores
840 a.C
Obadias
Elias e Eliseu ¹
Isaias
835 a 830 a.C
Joel
Amós
Jeremias
760 a 755 a.C
Amós
Jonas e Oseías
Ezequiel
760 a.C
Jonas
Amós
Daniel**(Kethuvym)
740 a 710 a.C
Miquéias
Isaias
Oseías
Profetas Menores
715 a 710 a.C
Oseías
Isaias, Amós e Miquéias
Joel
700 a 680 a.C
Isaias
Oseías,Miquéias
Amós
630 a.C
Sofonias
Naum
Obadias
630 a 620 a.C
Naum
Sofonias
Jonas
606  a.C
Habacuque
Sofonias e Jeremias
Miquéias
590 a 570 a.C
Ezequiel
Daniel
Naum
585 a 580 a.C
Jeremias
Ezequiel e Daniel
Habacuque
536 a 530 a.C
Daniel
Ezequiel e Jeremias
Sofonias
520 a.C
Ageu
Zacarias
Ageu
520 a 470 a.C
Zacarias
Ageu
Zacarias
430 a 420
Malaquias
Zacarias e Ageu
Malaquias



Conteúdo

O livro apresenta duas partes principais, a primeira (1 – 39) e a segunda são os 27 capítulos (40 – 66), o equivalente aos 39 livros do Antigo Testamento e os 27 do Novo.

OSEIAS

Oseias, Amós e Miqueias viveram na mesma época. Com o profeta Isaías eles formam o quarteto do período áureo da profecia hebraica, entre 790 e 695 a.C. Oseias e Amós eram profetas do Reino do Norte, enquanto Miquéias profetizou em Judá.

Oseia encabeça a lista dos Profetas Menores. Contém 14 capítulos e está dividido em duas partes principais. A primeira trata-se da biografia do profeta que retrata a história de seu povo, na sua geração (1 – 3); é o sumário do livro. A segunda parte trata do mesmo assunto de maneira mais ampla e detalhada. É o livro do amor de Jeová. Sua mensagem consiste no apelo contra o pecado, advertências sobre o juízo de Deus, o amor eterno de Jeová e a profecia sobre a restauração de Israel, no fim dos tempos. Oseias é citado por nome em o Novo Testamento (Rm 9.25,26) e o livro em outras partes, como a profecia messiânica (11.1; Mt 2.15).

INTRODUÇÃO

Conforme destacamos na lição anterior, toda Escritura é inspirada por Deus e proveitosa (II Tm. 3.16,17). Os profetas, por conseguinte, foram, indistintamente, impulsionados pelo Espírito (II Pe. 1.19-21). Mesmo assim, a tradição judaico-cristã costuma fazer a distinção entre profetas maiores e menores. Na aula de hoje, estudaremos a respeito dessa diferença, em seguida, apresentaremos, panoramicamente, os profetas maiores e menores. Ao longo da lição, destacaremos aplicações desses profetas para a igreja do Senhor.
Determinado profeta ser considerado maior ou menor. Ao estudarmos os escritos dos profetas do Antigo Testamento, é preciso ter em mente que tais livros não se encontram em ordem cronológica. A distinção entre profetas maiores e menores serviu para classificar, quantitativamente, os profetas que tinham livros maiores daqueles cujos livros eram menores. Alguns desses profetas anunciaram a palavra de Deus simultaneamente, outros com vários anos de diferença, e para povos distintos. Por isso, para compreender a mensagem de determinado profeta, faz-se necessário identificar quando ele falou, em que lugar, e para quem.

Para tanto, devemos levar em consideração o contexto e não a disposição desses na Bíblia, haja vista que o texto bíblico, e não a disposição dos livros e capítulos e versículos foram inspirados pelo Espírito Santo. Para evitar confusão, alguns estudiosos do Antigo Testamento preferem a divisão dos livros proféticos em: pré-exílicos, exílicos e pós-exílicos. Os profetas preexílicos advertiram a respeito do julgamento de Israel e Judá: Obadias (que escreveu para Edom), Amós, Oséias e Joel (escreveram para o Reino do Norte) e Isaias, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias e Jeremias (que escreveram para Judá).

Os profetas exílicos escreveram para encorajar o povo de Deus a esperar pela restauração deles: Ezequiel e Daniel escreveram da Babilônica para fortalecer a fé dos judeus exilados. Os profetas pós-exílicos escreveram para confirmar a aliança de Deus com o Seu povo: Ageu, Zacarias e Malaquias escreveram para o povo de Judá que havia retornado do cativeiro.


 
2. OS PROFETAS MAIORES

1) Isaias é considerando o primeiro dos profetas maiores (Is. 1.1). Seu ministério profético aconteceu entre 740 a 700 a. C., iniciando no ano em que o rei Uzias morreu (Is. 6.1). Deus promete a vinda de Messias que viria para salvar o povo dos seus pecados (Is. 53.5). O livro de Isaias é considerado o “Quinto Evangelho” por causa das suas predições do nascimento, vida e morte de Jesus (Is. 6.3; 7.14; 9.6; 53.6). O próprio Jesus se referiu ao livro de Isaias como cumprimento das profecias a Ele alusivas (Is. 61.1-2). 2) Jeremias escreveu o seu livro com a assistência de Baruque (Jr. 1.1; 36.4) em aproximadamente 585 a.C., a fim de advertir Judá do julgamento iminente por causa do seu pecado.


3. OS PROFETAS MENORES

1) Oséias escreveu seu livro entre 750 e 722 a. C.. Em seu escrito ele revela o amor de Deus por Israel através de um casamento que resulta em adultério (Os. 1.2). Apesar da infidelidade de Israel, Deus, como Oséias a Gomer, o ama e está disposto a perdoá-lo (Os. 14.4); 2) Joel, filho de Petuel (Jl. 1.1), escreveu em 586 a. C., advertindo Israel das pragas que sobreviriam por causa do pecado (Jl. 2.11). O dia do julgamento de Deus, no entanto, não é o fim, pois o Senhor salvará o Seu povo (Jl. 2.32); 3) Amós, um pastor de Tecoa, próximo de Belém (Am. 1.1), escreveu em 760 a. C., orientando o povo de Israel a preparar-se para um encontro com o Senhor (Am. 4.12) e denunciando as injustiças sociais daquele povo (Am. 5.24). Essa mesma atitude ecoa nas palavras de Tiago, em sua Epístola (Tg. 2.14-18); 4) Obadias escreveu seu livro em 586 a. C., (Ob. 1.1), após a invasão da Babilônia sobre Judá.

Esse livro traz promessas de esperança (Ob. 1.17) para o povo de Deus, em cumprimento às palavras proferidas a Abraão (Gn. 12.3); 5) Jonas, escrito em 760 a. C., mostra a atuação desse profeta nos tempos do Rei Jeroboão II (II Rs. 14.23-25). Jonas é vocacionado pelo Senhor para pregar arrependimento para Nínive, capital da Assíria (Jn. 4.11). O profeta esperava que os ninivitas fossem destruídos, mas esses vieram a arrependerem-se. Nesse livro vemos a demonstração do amor de Deus aos pecadores (Rm. 5.8); 6) Miquéias profetizou por volta de 700 a. C., ressaltando o julgamento de Deus que viriam em breve (Mq. 1.1). Esse livro conclama o povo ao arrependimento, a amar a misericórdia, a andar humildemente com Deus (Mq. 6.8), e revela, profeticamente, o local do nascimento do Messias (Mq. 5.2); 7) Naum, escrito por volta de 663 a 612 a. C., revela o julgamento que sobreviria sobre Nínive (Na. 3.1). Esse livro seria uma espécie de continuação de Jonas, mostrando que Deus é misericordioso, mas pune o pecado impenitente (Na. 1.3); Habacuque profetizou em aproximadamente 600 a. C., a respeito da punição de Judá através dos caldeus (Hc. 1.6). Nesse livro o autor faz um chamado à fé (Hc. 2.4), mesmo diante da adversidade (Hc. 3.18), texto citado por Paulo em Rm. 1; 9) Sofonias data de 640 a 620 a. C., durante o reinado de Josias (Sf. 1.1), tratando a respeito do julgamento de Deus por causa da idolatria (Sf. 3.8), ainda que haja esperança para aqueles que se arrependem (Sf. 3.13); 10) Ageu data de 520 a. C., perído do segundo ano do reinado de Dario (Ag. 1.1). Como profeta pós-exílico, Ageu encoraja o povo que havia estado cativo na Babilônia a reconstruir o templo.

A esse respeito, destaca que o povo deva dar proeminência a Deus em suas contribuições e a confiar no Senhor (Ag. 2.4); 11) Zacarias, filho de Berequias, data de aproximadamente 520 a 475 a. C., e, semelhantemente a Ageu, conclama o povo à reconstrução do templo em Jerusalém. O livro alude à entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Zc. 9.9; Mt. 21.1-11). Deus, através do profeta, chama o povo a se voltar para Ele, e Ele, por sua vez, se voltará para o Seu povo (Zc. 1.3); e 12) Malaquias, o mensageiro do Senhor, escrito por volta de 450 a. C., denuncia o descaso do povo em relação a Deus, inclusive em relação à contribuição (Ml. 3.8-10). A mensagem de Malaquias nos lembra que o culto genuíno ao Senhor deva ser em espírito e em verdade (Jo. 4.24).


CONCLUSÃO

O estudo dos livros dos profetas, sejam eles considerados maiores ou menores, é fundamental ao amadurecimento da Igreja. Não podemos esquecer que o Antigo Testamento era a Bíblia que Jesus lia. Ele mesmo fez menção da mensagem dos profetas ao revelar-se, após a ressurreição, na estrada de Emaús, quando discorria a respeito do cumprimento das profecias a seu respeito (Lc. 24.27,32). Ainda hoje, quando meditamos na Palavra de Deus, nosso coração arde através da chama do Espírito, que nos instiga à fé nessas palavras fieis e verdadeiras e dignas de toda aceitação (I Tm. 4.9).
VI – O LIVRO DE OSÉIAS:
• Autor: Oséias = Salvação.
• Data: 715-710 a.C.
• Tema: O Julgamento Divino e o Amor Redentor de Deus.
• POR QUE LER ESSE LIVRO? – Porque conta uma história tão atual quanto os programas de entrevistas que vemos hoje no rádio e na televisão – a história do amor de um homem para com a esposa infiel. Mas a história do profeta Oséias e da esposa, Gômer, ilustra outra história de amor: O AMOR DE DEUS POR NÓS, mesmo quando nossos pecados Lhe partem o coração. Aqui temos um retrato de um Deus que anseia por perdoar-nos quando nos voltamos para ele arrependidos.
O QUE ACONTECIA NA ÉPOCA? – Jeroboão foi um rei ímpio, cujo domínio produzira uma sociedade materialista, imoral e injusta. Depois dele, seis reis governaram Israel dentro de um período de 25 anos. Esse foi o crepúsculo do Reino do Norte.
O QUE SE DEVE BUSCAR EM OSÉIAS? – Não nos espantemos com a prostituição, com a infidelidade e com a tristeza nesse livro. Observemos as consequencias tenebrosas do pecado, quando Deus profere Suas acusações formais contra o Seu povo. Mas também procuremos enxergar, além dos sofrimentos de Oséias (e da dor de Deus), um exemplo de amor que não desiste – em primeiro lugar, no amor de Deus para com o Seu povo Israel e, em segundo, no amor de Deus para conosco. Procuremos observar de que formas Oséias amou a esposa que não o merecia e procuremos refletir no fato de que Deus age da mesma forma conosco.
• Não há pecado que Deus não perdoe, desde que exista arrependimento:
• (1) - Deus ama o Seu povo (Os 11:1 cf II Cor 5:14);
• (2) - O Deus de amor fala ao Seu povo apresentando o Seu apelo final e insistente (Os 12:6; 14:1-2 cf Mt 3:2; Mc 1:15; At 3:19);
• (3) - Deus faz tudo isso através de preciosas promessas (Os 14:4-7, 9).
VII – O LIVRO DE ISAÍAS:

• Autor: Isaías = “O Senhor salva”.
• Data: cerca de 700–680 a.C.
• Tema: Juízo e Salvação.
POR QUE LER ESSE LIVRO? – Isaías conhecia pessoas que levavam vida dupla – a nação de Israel – e odiava a acomodação delas, assim como Deus a odiava. Ele desafiou os israelitas a se porem espiritualmente em forma e a amarem a Deus de todo o coração e de toda a mente. Isaías esperava que seus leitores chegassem a enxergar com clareza a sua hipocrisia e mudassem de atitude.
O QUE SE PASSAVA NESSA ÉPOCA? – A importância anterior de Israel já se desvanecera, e a nação ficou sendo de segunda categoria. Embora Judá fosse ameaçada pela Assíria e pelo Egito, foi poupada da destruição, em grande medida graças á influência de Isaías. O Reino do Norte, no entanto, foi demolido pelos exércitos assírios.
O QUE SE DEVE BUSCAR EM ISAÍAS? – Paradoxos. Isaías era um poeta pungente, para quem o caráter de Deus revelava dois lados mutuamente complementares: misericórdia e juízo, justiça e perdão, exílio e salvação. A tensão entre esses grandes paradoxos enche as páginas dos escritos de Isaías e aguarda uma resposta que somente o leitor pode dar: fé ou incredulidade.
• (1) - Isaías advertiu o rei Acaz, de Judá, a não buscar ajuda dos assírios contra Israel e a Síria. Advertiu o rei Ezequias, depois da queda de Israel em 722 a.C., a não fazer alianças com nações estrangeiras contra a Assíria, exortando-os a confiarem somente no Senhor (Is 7.3-7; 30.1-17).
• (2) - As mensagens de Isaías, nos caps. 40–66, destinadas aos exilados judaicos em Babilônia, muito tempo depois de sua morte, enfatizam o poder de Deus em revelar eventos futuros específicos através dos seus profetas (Is 42.8,9; 44.6-8; 45.1; 47.1-11; 53.1-12).
• Segundo a tradição, Isaías foi serrado ao meio pelo filho de Ezequias, o ímpio rei Manassés em cerca de 680 a.C. (Hb 11:37).
VIII - BREVE COMENTÁRIO DA LEITURA BÍBLIA EM CLASSE: Rm 9:25-29:
• Rm 9:25-26 - Paulo cita Os 1:10 e 2:23, palavras essas originalmente dirigidas às dez tribos de Judá por causa do seu afastamento do Senhor. Elas se tornaram como os gentios. Deus prometeu às dez tribos que um dia seriam chamadas de filhos do Deus vivo, exatamente no mesmo lugar em que foram declaradas “que não era meu povo”.
• Rm 9:27-28 – Paulo volta-se para o testemunho de Isaías sobre Israel e cita Is 10:22-23. Só um remanescente será salvo, voltará ou retornará para Deus. O Senhor não prolongará indefinidamente o período de Sua longanimidade, mas o Seu juízo virá.
• Rm 9:29 – Finalmente, Paulo completa o quadro do V.T. da ação salvadora de Deus, citando Is 1:9. Se Deus não tivesse deixado alguns, a nação de Israel teria sido riscada.
• Desta forma, Paulo queria enfatizar que todos os homens, judeus ou gentios, na realidade, somos “pecadores” (embora não nos consideremos como tais), até que intervenha a graça de Deus. A graça divina, que nos é proporcionada através de Cristo, reduz todos nós ao mesmo nível de degradação e desespero, a fim de que possa elevar-nos, juntamente e sem qualquer distinção, aos lugares celestiais, em Cristo Jesus.


JESUS, O PROFETA MAIOR
- O primeiro ofício de que trataremos é o ofício de profeta, também dos mais antigos, visto que o primeiro profeta registrado nas Escrituras é Enoque, o sétimo depois de Adão(Jd.14), embora a primeira pessoa chamada de profeta na Bíblia seja Abraão (Gn.20:7).

3 comentários:

kkkkkkkkkkkkkkk sqn faltou muito ainda esse site não presta pra * nenhuma

Postar um comentário

Favor não postar palavras de baixo calão...

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More